21
ago
08

Rebeldes sem causa: Limitar e repreender maus comportamentos é essencial na criação

Falta de limites

Educar o filho é a parte mais difícil do papel dos pais. Quando crianças, eles obedecem e aceitam o que lhes é imposto, quase sempre sem protestos. Mas quando crescem… Ao tornarem-se adolescentes, parecem ignorar aqueles que antes eram vistos como seus principais aliados. Nessa época de experimentação, em que a personalidade ainda está se formando, muitos jovens passam a ter uma certa dose de rebeldia. Resta aos pais conversa, bom humor e muita, muita paciência para lidar com esta fase, sem deixar a educação de lado.

“É preciso negociar. No início, estabeleça pequenas regras, que têm que ser combinadas e respeitadas pelas duas partes”

A rebeldia é considerada praticamente uma condição da adolescência. Neste período da vida, eles resolvem testar o mundo à sua volta e, principalmente, os pais. É claro que existe uma inquietação saudável, de contestar as coisas e descobrir novos mundos. Entretanto, há jovens que apresentam um comportamento “rebelde” sem nenhum motivo aparente, transformando suas vidas e as dos familiares num verdadeiro caos. Pais e filhos travam batalhas diárias tentando impor suas vontades e, na maioria das vezes, sem chegarem a um acordo. Estas atitudes provocam sérios problemas e podem chegar a casos extremos.

A economista Solange de Souza tem uma filha adolescente de 13 anos e ficou completamente acuada pela menina. “Ela me xingava, tentava mandar em mim. Não tínhamos mais diálogos, só brigas”, relata. A mãe decidiu procurar ajuda. Foi a uma psiquiatra infantil, mas uma das primeiras coisas que ouviu foi que não bastava só tratar a menina, mas a ela também. Hoje, as duas fazem análise e tudo está começando a entrar nos eixos. “Mas não é da noite para o dia, estamos caminhando juntas. Devagar, com algumas brigas, porém o mais importante é que estamos começando a nos entender. Ela está aprendendo a me respeitar e eu, a ela”, diz a mãe, emocionada.

Para a psicóloga infantil Ana Iencarelli, os filhos têm estes tipos de atitudes para chamar a atenção dos pais. “Hoje em dia falta limite, a criança que não tem alguém que a repreenda provoca de alguma forma. Quanto mais solta está, mais vai querer que o adulto olhe”. Segundo a especialista, desta forma o filho “avisa” que está carente, que precisa de alguém para dizer o que pode e o que não pode fazer.

A advogada Marlene Ferreira conta que, muitas vezes, liga para casa antes de sair do trabalho para falar com a filha, de 16 anos, para saber como está o humor dela. “Dependendo da resposta, fico mais tempo no escritório ou no carro, dentro da garagem, e só chego em casa depois que ela dorme, por volta das 10 horas da noite”. Desta forma, de acordo com a advogada, ela evita as brigas e não se aborrece com a jovem.

Não fuja da raia

Mas será que esta atitude está certa? Segundo os especialistas, não. Para eles, fugir só deve aumentar o problema. O certo é tentar o diálogo. A psicóloga Ana Iencarelli diz que “os adolescentes mais rebeldes são os mais amedrontados”, por isso aconselha que a criação de leis internas pode ser um bom caminho. “É preciso negociar. No início, estabeleça pequenas regras, que têm que ser combinadas e respeitadas pelas duas partes”, orienta. Ela diz que se deve sempre falar com firmeza, mas sem grosseria. “Os filhos têm que aprender a ficar frustrados enquanto são crianças e adolescentes porque, caso contrário, não serão adultos minimamente adequados à sociedade”, adverte a psicóloga.

A dona de casa Ângela Ferreira tem um casal de filhos adultos, mas lembra que enfrentar a adolescência do filho foi muito difícil para ela e o marido. “Meu filho não conversava com a gente. Dormia fora de casa sem avisar e quando voltava não dizia o que tinha acontecido”, lembra. Ela diz que tentava o diálogo, mas nunca conseguia. Hoje, quase dez anos depois, eles têm uma boa relação, mas Ângela diz que se pudesse voltar no tempo, faria algumas coisas diferentes como tentar se impor mais e não permitir este tipo de comportamento. A postura de permissividade dela acabou gerando problemas, relata Ângela. “Eu não queria dar a eles a educação rígida que tive”.

E é esta diferença entre as gerações de pais que também pode ser apontada como um dos principais provocadores da rebeldia sem causa dos adolescentes na modernidade. Especialistas dizem que os pais dos anos 50 e 60 não tinham diálogo com os filhos e eram autoritários. Depois, eles se transformaram e passaram a acreditar que sendo amigos teriam uma relação melhor com os filhos e, com isso, raras vezes diziam não, tornando-se permissivos.

Dê limites

“A permissividade dos pais acarreta a falta de limites para os filhos, fazendo com que o adolescente se rebele sem motivos”. Para o Chefe da Psiquiatria Infantil da Santa Casa do Rio de Janeiro, Fábio Barbirato, “os pais perdem o rumo da educação dos filhos quando tentam ser amigos e esquecem-se de dar limites”.

O psiquiatra acrescenta que “não adianta ser autoritário, mas sim ter autoridade”. E reconhece que “muitos pais acabam não exercendo esta autoridade porque demanda muito esforço e deixam tudo fluir”. Barbirato reitera que a “autoridade tem que ser exercida com diálogo, mostrando principalmente o respeito que os filhos têm que ter aos pais” e ressalta que a rebeldia é mais comum nas classes média e média-alta, porque, segundo ele, nas outras camadas, “ainda há o respeito à hierarquia que os pais representam”.

“A permissividade dos pais acarreta a falta de limites para os filhos, fazendo com que o adolescente se rebele sem motivos”

Os colégios particulares mostram bem esta realidade. Ana Cláudia Oliveira é professora do Ensino Médio de uma escola em Ipanema. Ela conta que um dia chamou a atenção de um aluno que estava conversando em sala de aula. “O menino respondeu que ‘eu não mandava nele, que ele pagava o meu salário e que eu é que tinha que ficar quieta'”, lembra. A professora saiu da sala e foi à direção do colégio contar o episódio. Os pais do estudante foram convidados a conversar com os coordenadores e alertados do mau comportamento do filho. Segundo a professora, a mãe reconheceu o erro e disse que daquele dia em diante iria tentar conversar mais com o filho para dizer a ele que um professor deve ser tão respeitado quanto os pais.

Esta mãe deve, sobretudo, dizer ao filho um dos principais conselhos dos especialistas para quem tem filhos rebeldes: é fundamental os pais ensinarem aos filhos que não se pode fazer com o outro aquilo que você não quer que façam com você.

Texto de Beatriz Fonseca; Fonte: MSN.

Anúncios

16 Responses to “Rebeldes sem causa: Limitar e repreender maus comportamentos é essencial na criação”


  1. 1 jorleny rodrigues
    15 de junho de 2015 às 19:49

    tenho filho de 13 anos que esta dando trabalho, na escola não quer estudar, esta muito agresivo ,so quer andar com mas conpanias ja dei coselhos ja fiz de tudo, ja mudei ate de cidade pra ver si ele mudava, mas não deu jeito ,o que devo fazer ?

    • 27 de junho de 2015 às 04:01

      Já procurou ajuda? Não é vergonha pedir ajuda ao conselho tutelar/ assistente social, psicóloga particular ou pública (clínica da família), ou alguém da igreja ou familiar que tenha alguma profissão das que citei anteriormente, ou até mesmo pedagogia… Criar laços afetivos verdadeiros, sem interesse, sem troca (você se comporta que eu te dou ‘ISSO’), diálogo…

  2. 3 lia
    27 de abril de 2015 às 00:40

    Tenho uma filha de 20 anos , sempre foi rebelde ,
    Respondona , mas esta cada dia pior , estou preocupada ela diz que eu não mereço a amizade dela , ja pensei em pedir sair de casa mas fico com dó tem um agravante tenho um filho de 9 anos e temo que ela seja mal exemplo para ele , e no futuro ele venha ser igual a ela , esta muito difícil a convivência , o que devo fazer , paga pra ver se o meu filho vai ser igual ,ou pedir para a filha sair de casa estou muito triste , com toda essa situação m o que devo fazer .

  3. 4 elisangela macedo
    13 de março de 2014 às 11:29

    lendo as historia de vcs pais ,me fez enchergar que meu problema e menor do que imaginava ,meus filhos de 16 e 13 sao mais faceis de lidar do que imaginavam sao sem viciops nao dormem fora de casa ,nao sai com amigos ,ainda nao namoram apenas brigam entre eles me responde com frequencia sao ciumentos .vou tentar ser melhor com eles talves eles tambem melhorem comigo e entre eles tambem.

  4. 5 aline cristina dos s
    7 de novembro de 2013 às 23:54

    e estou passando por isso com meu irmao ele tem 18 anos,nao respeita minha mae e diz que vai ser bandido,ai minha mae fica chorando
    e sede as chantagens dele,e e comigo eu falo vc vai,mas vai todo quebrado,e quando quebrar a cara nao me procure.

  5. 6 Grace Rubia
    6 de setembro de 2013 às 15:35

    Eu também estou passando uma fase bem complicada com o meu filho de 13 anos. Penso, penso, penso e não consigo achar grandes soluções. Ele até abandonou a escola este ano (notas baixíssimas e muitas faltas), está muito rebelde e acha que manda nele e não precisa dos cuidados e da supervisão de nenhum adulto. Está andando com más companhias e passando por cima de todas as ordens. Bater não acho o mais viável e já me falta salivas pra tanta conversa. No fim de tudo, eu só me estresso, fico triste, desgostosa, perco o sono, não trabalho bem e me falta o sorriso no rosto!!! Muito triste tudo isso, preciso de uma luz, de como fazer com que ele ande na linha e deixe dessa rebeldia. E se eu não tomar alguma atitude, vou perder o meu filho pra vida errada, ninguém mais da família não toma nenhuma atitude… nem o pai (somos divorciados) e nem ninguém ao nosso derredor. Estou sozinha nessa e estou me frustrando cada vez mais!!! Mas não vou desistir dele NUNCA, vou lutar enquanto me houver o fôlego de vida. Se alguém puder me ajudar, vou ficar imensamente agradecida!

  6. 7 Patricia Costa
    14 de junho de 2013 às 14:47

    Tenho uma filha de 15 anos, já não sei mais o que falar pra ela, já tentei de tudo, agrados, carinhos, castigos até mesmo um trabalho, nada faz a minha filha dar um sorriso e confiar em mim, o pai dela é do tempo dos dinossauros acha que tudo se resolve através de agressividade e proibições, já estou no ponto de que sinto que o que eles querem é que eu decida por um deles, não posso fazer isso pois agora que estou me encontrando com o meu marido e ela é minha filha, quero o melhor pra minha familia o que devo fazer?

  7. 8 lorainy
    29 de maio de 2013 às 20:34

    Ola tenho uma filha de 12 anos,tenho passado por maus momentos com ela,pois ela não me respeita mais como mãe,me agredi,xinga,responde….Ah ja não sei o que faço!!!

  8. 9 telma
    13 de maio de 2013 às 22:36

    Tenho uma filha de 24 anos que por causa de uma forminha de bombom que ela achou que eu sumi me chamou de vaca, ordinaria, hipocrita, falsa, fingida, me magoou profundamente.
    Eu acho que os filhos já vem com uma indole, boa ou má porque se você o educa bem, faz tudo por ele, ele esta sempre contra você, me digó a o que fazer? Eu particulamente não sei mais o que fazer.Estou profundamente magoada, triste e até vou dizer acho que o meu amor esta se acabando, transformando em raiva.Só espero que Deus me ajude.

  9. 10 Rosi Aparecida Hojnaki
    13 de dezembro de 2012 às 21:09

    O s pais devem educar pelo exemplo. Como ensinar ou cobrar dos filhos o correto, quando os pais traem-se, mentem, dissimulam. A regra “faça o que eu mando e não o que eu faço “, não se aplica a educação dos filhos, principalmente quando a educação fica na responsabilidade da mãe.

  10. 18 de novembro de 2012 às 23:19

    minha filha é um presente de Deus pra mim,por ela ser linda resolvemos inscreve -la num concurso para candidatas á rainha do rodeio daqui da minha cidade,mas com outras concorrentes lindas também ela não ganhou,aí ela entrou em depressão e aconteceu o fato de qualquer coisa é motivo pra ela entrar em crise,mais eu encontrei palavras boas aqui que com certeza vai me ajudar,obrigada!

  11. 18 de novembro de 2012 às 23:07

    bom o que eu precisava já vi tudo aqui,estou passando por um a fase muito difícil com minha filha de 15 anos,ela já até tentou-se suicidar,mas com essa ajuda eu vou tentar me ajudar para educar melhor minha filha,agradeço!

  12. 13 fernanda
    30 de outubro de 2012 às 14:36

    tenho uma afilhada de 12 que mora comingo,no ultimo sabado eu fui para em uma delegacia por culpa dela,e estou com muita raiva.Nao sei o que fazer para dizer a ela q ela q error.ela sempre se acha a vitima de tudo.me ajudem pelo amor de Deus.nao quero perde essa garota.

  13. 14 andreia
    20 de janeiro de 2012 às 17:40

    estou perdida para educar dois adolescentes rebeldes o que faço

  14. 15 Fabiao Augusto
    2 de maio de 2010 às 09:19

    educar os filhos é a parte mais agradeves de vida de tudos os país

  15. 25 de fevereiro de 2009 às 12:38

    na minha opniao os filhos muitas das vezes avisan-nos quando algo esta mal connosco e a minha terapia e quando estou mais erritada sento-me com eles ponho musica calma e acalmo-me com abraços beijinhos e conversas tenho 2 filhos uma de 7 e outro de 5 anos


Deixe seu relatório investigativo, ou mande beijo; dê seu palpite, ou bronca. Mas fale sério comigo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Leitores do Blog:

  • 4,858,723 Visitantes

Visitantes Online

visitor stats

Seguir Fastlove:

Siga-me no Facebook

Dona do Blog:

Quem sou eu?
Aspiro com o dia em que não incomodarei as pessoas com minha sinceridade. No dia em que as pessoas não terão medo e nem vergonha de expor sua essência – dizer o que realmente pensam e querem. O fim da hipocrisia, do sujeito oblíquo. Com calma caminho em busca de um futuro melhor, e não espero por coisas fáceis. Sou chata, brega, amiga, leal, fiel, prestativa, distraída, esquecida, impulsiva, falante, extravagante, extrovertida, medrosa, extremamente ansiosa, normalmente curiosa e tolerante, as vezes envergonhada. Mensageira da esperança, da palavra amiga. Admiro quem anda sozinho, mas não consigo. Fico feliz quando vejo um sorriso, quando o sonho se torna realidade mesmo q não seja meu. Satisfeita ao ver um casal de velhinhos em um restaurante, de mãos dadas. Choro quando assisto TV, quando sofro decepção, quando decepciono alguém e por saber que o mal está solto. Mas tranquila e muito feliz por saber que acima de tudo Deus existe, que é Amor, Justo, Fiel, Onipotente e Onipresente. Não tenho a família de meus sonhos, porém tenho força de vontade para criar uma, todos os passos são cuidadosamente analizados e percebo hoje que estou em uma posição muito a frente dos meus sonhos mais simples. Com a Graça de Deus Celestial. E com a certeza que Deus nunca me abandonou! Com a benção Dele, sinto que realizarei e viverei mais que sonhos. Desejo ver meus filhos crescer e que sejam felizes, ter mais filhos e adotar quando possível. Quero uma família grande, unida e repleta de paz e amor. Desejo que as pessoas conheçam a Paz, o Amor e o Poder que somente nosso Deus tem e pode nos dar. Desejo uma casa, no quintal: animais e um pé de jambo. Bem longe do Rio de Janeiro. Mas Deus sabe o que é melhor para mim. Afinal, sou mais que uma vencedora! Fui escolhida em uma corrida de milhões, fui vitoriosa e gerada. Gerei filhos saudáveis e lindos, perfeitos aos olhos de Deus, aos meus olhos... e verdadeiros Presentes Divinos em minha vida.

Calendário do Blog

Buscar Arquivos do Blog

Casos Arquivados

Categorias do blog

Member of The Internet Defense League

RSS Frases Pensador


%d blogueiros gostam disto: